quinta-feira, 30 de junho de 2011

O vida do cidadão tratada com desrespeito




Nós estamos discutindo a renovação do contrato por mais 30 anos com a Sabesp.  
Uma empresa que nos últimos 30 só causou transtorno a população.  Não só por não cumprir seu papel como autarquia encarregada de gerir o fornecimento de água como também o tratamento dos esgotos, mas também pelo transtorno causado com seus remendos intermináveis. 

A cidade está sempre parecendo um queijo suíço de tanto que se abre buraco.  (Isso lembra os tempos da Paulipetro do Sr. Maluf).   Sempre em nome da expansão da rede.  Sabemos que os bairros situados nas partes altas são aqueles que mais sofrem com a falta de estrutura da empresa para operar o sistema.  Nem vamos falar da Estação de Tratamento do Guaçú onde foram enterrados mais de 16 milhões e o que se vê lá mais parece com uma cidade fantasma.

Pois bem, no bairro da Vila Nova há mais de um ano existem duas caixas d’água prontas para entrarem em operação, e assim melhorar o fornecimento daquela população, mas não entendemos  porquê, elas não entraram em operação.  Será que vamos passar mais 30 anos nessa situação.

Principais notícias postadas em 30/06



Invasor violou mensagens de Dilma em 2010

Senado aprova punição para quem criar partido

Estações e vagões de trem têm, em média, nove furtos por dia

Um em cada três motoqueiros feridos tem sequela

Preso ex-candidato acusado de mandar matar prefeito de Jandira

Fraudes em plantões médicos continuam


Promotores receberam denúncias de que médicos continuam assinando o ponto e indo embora no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS)



José Maria Tomazela, de SOROCABA - O Estado de S.Paulo
Apesar das prisões e da repercussão, o esquema de fraude nos plantões do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) não parou de operar.
A promotora Maria Aparecida Castanho, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), recebeu anteontem denúncia de que plantonistas continuam assinando o ponto e indo embora. Após a operação, a Secretaria da Saúde do Estado prometeu aumentar o controle dos plantões. "O fato de ainda ter médico assinando o ponto sem trabalhar mostra que a fraude está entranhada no sistema hospitalar", disse Maria.
Os promotores receberam dossiê da subsecção de Sorocaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) com denúncias. Segundo o documento, a Comissão de Direitos Humanos da OAB recebeu e encaminhou ao MP e à secretaria denúncias de falta de médicos, mau atendimento, funcionamento precário de equipamentos e problemas nas licitações. "Foram abertos inquéritos e sindicâncias, mas todos foram arquivados", disse um membro da comissão, Luiz Ferraz.
A documentação é examinada por Maria e pelo promotor Cláudio Bonadia, na sede do Gaeco, sob proteção policial. Numa das paredes, foi montado um organograma das fraudes. No gráfico, com quase 5 metros de largura, eles definem o papel de cada envolvido. Não há prazo para o término da apuração. "Vamos terminar o quanto antes. O problema é que todo dia surgem fatos novos", disse Maria Aparecida.
Conhecimento. O Estado teve acesso a documentos que mostram que a Corregedoria Setorial da Secretaria da Saúde sabia de fraudes em plantões e possíveis irregularidades em licitações desde agosto. Naquele mês, o órgão recebeu um dossiê com denúncias, a maioria de médicos do CHS. O órgão instaurou procedimento administrativo.
Segundo os denunciantes, os corregedores pareciam mais interessados em apurar casos de assédio moral que as demais denúncias. As denúncias resultaram em uma auditoria, no fim do ano passado. Mas a administração do hospital soube com antecedência e teve tempo de "maquiar" o CHS. O caso só não deu em nada porque, naquele momento, o MP e a Polícia Civil já haviam entrado na investigação. 


Cerejeira florida em São Roque, um convite a reflexão


Vereadores vão votar criação do sexto assessor



Novos cargos na Câmara terá custo anual de R$ 905 mil

Wilson Gonçalves Júnior
      wilson.junior@jcruzeiro.com.br

A criação de 21 assessores parlamentares, sem a realização de concurso público, entra hoje em discussão definitiva, na sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Sorocaba. Caso seja aprovada em segunda discussão, a proposta de autoria de todos os vereadores vai gerar custo custo anual de R$ R$ 905.921,01 aos cofres públicos. 

Já aprovada em primeira discussão, por unanimidade, no dia 21, o projeto cria o sexto assessor para cada um dos vinte vereadores e, ainda, mais um funcionário para o presidente do Legislativo. Durante a apreciação, na oportunidade, estudantes do Centro Acadêmico de História da Uniso e da juventude do Psol, munidos de cartazes e com narizes da palhaços, protestaram contra a criação destes novos cargos. 

Cada um dos assessores receberá mensalmente R$ 3.318,39, somado os vencimentos de R$ 2.370,28 mais gratificação de 40%. O gasto mensal da Câmara de Sorocaba, com a chancela do plenário hoje, será de R$ 69.686,23 e R$ 905.921,01, por ano. 

Funcionários 
Atualmente, como os vereadores possuem cinco assessores em seus gabinetes, são 100 funcionários comissionados - que não fizeram concurso público - no Legislativo. O número chega a 105 funcionários, com os cargos de livre indicação do Presidente da Câmara. Caso seja aprovado hoje, o número subirá para 126 cargos. 

No projeto, os assistentes parlamentares passarão a ser chamados de assessores parlamentares. O nível de escolaridade, antigamente atendida pelo Ensino Fundamental incompleto (atribuição pedida no antigo assistente parlamentar I), irá aumentar para o Ensino Médio. Os funcionários que ainda não possuem este nível de escolaridade terão 180 dias para se adequar à nova regra.

O sexto cargo chegou a ser aprovado no ano passado, porém a lei acabou revogada três meses depois, atendendo a uma orientação do Ministério Público Estadual (MPE). Na oportunidade, o nível de escolaridade para ocupação do cargo era de Ensino Fundamental incompleto.
 
Outros projetos 
Outro projeto que entra em segunda discussão será do vereador Izídio de Brito (PT ), autorizando o Executivo a descontar 30% da taxa de limpeza urbana dos imóveis que participam da coleta seletiva.

O vereador Benedito Oleriano (PMN) terá dois projetos na pauta de segunda votação. O primeiro deles modifica a Lei nº 6.677 de 2002 e prevê isenção na taxa de inscrição em concursos públicos a desempregados, candidatos que ganham menos de três salários mínimos e àqueles considerados arrimo de família. A outra matéria do vereador proíbe a cobrança de estacionamento de parentes de pacientes em hospitais conveniados à Prefeitura.

OAB de Sorocaba pede ao Gaeco desarquivamento de processos contra Conjunto Hospitalar



Os relatórios feitos pela OAB foram feitos entre 2004 e 2006

Carlos Alberto Soares/ TV Tem




A OAB entregou ao Gaeco Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado um documento pedindo que os inqúeritos abertos entre 2004 e 2006 sejam reabertos. Na época, o Ministério Público não comprovou as irregularidades no hospital e arquivou as denúncias. Nesses anos, a Comissão de Direitos Humanos fez três visitas ao Conjunto Hospitalar. Os relatórios apontaram problemas na estrutura do prédio como fiação elétrica exposta, pisos destruídos, banheiros em má conservação e pacientes aguardando atendimento nos corredores. Os documentos foram encaminhados às secretarias municipal e estadual de Saúde e ao Ministério da Saúde.


O pedido ao Gaeco foi feito por uma comissão da OAB formada pelo presidente Alexandre Ogosuku, pelo secretário geral da OAB e presidente da Comissão de Direitos Humanos na época dos relatórios, Luiz Henrique Ferraz, Claudinei José Marchioli, atual presidente da Comissão de Direitos Humanos e Márcio Flávio Lima, presidente da Comissão do Idoso e relator na época.


Há duas semanas, 12 pessoas foram presas durante uma operação do Ministério Público e Polícia Civil. Elas são suspeitas de envolvimento em fraudes em licitações e de receber por plantões não realizados em vários hospitais. O governo do estado nomeou um interventor para o Conjunto Hospitalar que tem dois meses para fazer um diagnóstico da
situação do hospital que atende 48 municípios da região.

Veja abaixo algumas fotos feitas pela OAB pedindo a reabertura dos inquéritos:

OAB Sorocaba/ Divulgação
Processos empilhados


OAB Sorocaba/ Divulgação
Fichas de pacientes em caixas



OAB Sorocaba/ Divulgação
Banheiro do setor infantil



OAB Sorocaba/ Divulgação
Local de guardas equipamentos



OAB Sorocaba/ Divulgação
Fiação elétrica exposta

Relatório mostra continuidade na violência contra povos indígenas




Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil
Brasília - A violência e as falhas na atenção à saúde de povos indígenas têm mantido altas as estatísticas de mortes nessas populações a cada ano. A conclusão é do Relatório Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil – 2010, que o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) divulga hoje (30). O levantamento revela que, no ano passado, pelo menos 60 indígenas foram assassinados no país, repetindo os números de 2008 e 2009.  
“O que fica mais evidente é que continua tudo igual. Temos a reprodução de uma situação que é dramática”, avalia a  antropóloga Lúcia Helena Rangel, coordenadora da pesquisa.
A maioria dos homicídios, de acordo com o Cimi, ocorreu em Mato Grosso do Sul, região de conflitos históricos entre índios e grandes produtores rurais pela posse de terras. O estado registra mais de 50% dos assassinatos indígenas em 2010 e o maior percentual de ameaças e tentativas de assassinatos notificados pelos pesquisadores.
Alem da violência, o levantamento traz informações sobre outras violações de direitos indígenas, como a assistência à saúde. Em 2010, os números foram alarmantes: de acordo com o relatório, 92 crianças indígenas menores de 5 anos morreram vítimas de doenças consideradas “facilmente tratáveis”, número 500% maior que o registrado em 2009. “A situação do povo Xavante, que perdeu 60 das 100 crianças nascidas vivas, é um absurdo”, destaca a coordenadora.
O documento também registra casos de violência policial, desrespeito à demarcação e exploração ilegal de recursos em terras indígenas.
Segundo Lúcia Helena, a repetição das estatísticas negativas revela o descaso histórico em relação às causas indígenas e o recente acirramento do preconceito contra os povos tradicionais. “Reflete o não reconhecimento dos direitos indígenas, por parte do Estado, por parte dos políticos, dos donos de terra e da população em geral, que expressa um racismo contra os indígenas que está cada vez mais descarado”, acrescenta.

Invasor violou mensagens de Dilma em 2010



Folha de S.Paulo
BRASÍLIA -- Um invasor violou o correio eletrônico pessoal da presidente Dilma Rousseff e copiou e-mails que ela recebeu durante sua vitoriosa campanha à Presidência da República, no ano passado.
O rapaz tentou vender os arquivos a políticos de dois partidos de oposição, o DEM e o PSDB, mas disse que não teve sucesso. A reportagem encontrou-se com o invasor na segunda-feira, num shopping de Taguatinga (DF), a 20 km de Brasília. Ele não quis se identificar. Disse que se chama "Douglas", está desempregado, mora na cidade e tem 21 anos.
Ele afirmou que fez um ataque ao computador pessoal da então candidata em duas etapas e copiou cerca de 600 mensagens da sua caixa de entrada. Um dos e-mails que Dilma usava na época era do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha.
Ele disse que primeiro invadiu o site do diretório nacional do PT na internet e se aproveitou de uma vulnerabilidade da página para copiar e-mails pessoais de petistas e outros dados.
Depois, "Douglas" disse que despejou no computador de Dilma um programa capaz de armazenar tudo o que ela digitasse em sua máquina.
O invasor afirmou que decidiu vender as informações por estar "preocupado" com o nascimento do primeiro filho, previsto para breve. "Douglas" também pediu dinheiro à reportagem em troca das mensagens. A "Folha de S.Paulo" não paga pelas informações que publica e recusou a proposta.
O rapaz mostrou, de relance, o conteúdo de 30 e-mails armazenados num disco rígido externo. Ele não permitiu fotos ou cópias.
Exames e telefones
A amostra que ele exibiu continha resultados de exames de saúde que Dilma teria feito em Porto Alegre (RS), instruções para a campanha eleitoral do segundo turno e uma agenda telefônica.
A Presidência disse ter dificuldades para confirmar se os e-mails de fato foram extraídos ilegalmente do correio de Dilma. "O que importa é que, verdadeiros ou falsos, esses e-mails são frutos de um ato criminoso", declarou a ministra da Comunicação Social, Helena Chagas.
Dois remetentes identificaram no lote de "Douglas" são mensagens que realmente haviam enviado para Dilma. Um deles é o jornalista Kennedy Alencar, da "Folha de S.Paulo", que pedia que a candidata confirmasse sua presença no debate que o jornal organizaria. Na outra, o padre e cantor Fábio de Melo desejava boa sorte a Dilma na véspera do segundo turno da eleição. Ele confirmou que mandou o e-mail.
José Dirceu
"Douglas" disse que também violou o e-mail do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. O petista, que está na Europa, disse que detectou a invasão de sua caixa postal no UOL e mandou registrar a ocorrência na polícia.
Dos e-mails que o invasor disse ter extraído de Dirceu, a reportagem pôde ver dois. O ex-ministro disse que o conteúdo "fazia sentido" --uma conversa com o escritor Paulo Coelho--, mas não reconhecia "aqueles específicos".

Senado aprova punição para quem criar partido



Folha de S.Paulo
BRASÍLIA -- O Senado aprovou ontem uma proposta que ameaça com perda de mandato os políticos que deixarem seus partidos para participar da fundação de outra sigla.
Batizada de "emenda Kassab", a mudança elimina a principal brecha nas regras de fidelidade partidária instituídas pela Justiça Eleitoral. A proposta ainda precisa ser aprovada na Câmara para virar lei.
Se isso acontecer, a desfiliação para criar uma nova legenda passará a ser considerada "justa causa" para a perda de mandato. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e a ex-senadora Marina Silva devem ser os maiores prejudicados. Eles tentam convencer aliados a abandonar o DEM e o PV, respectivamente, para acompanhá-los em novos partidos.
O texto ainda ameaça os mandatos de políticos que deixarem suas siglas durante processo de fusão, que afrontem o programa partidário ou que cometam "grave discriminação pessoal". A mudança foi sugerida pelo senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

Estações e vagões de trem têm, em média, nove furtos por dia


Folha de S.Paulo
Cada vez mais superlotados, as estações e trens do Metrô e da CPTM têm facilitado a vida dos criminosos: a cada dia, em média, nove pessoas são furtadas.
Para a polícia, os ladrões se aproveitam do tumulto nos horários de pico para agir. Levam principalmente carteiras e celulares.
A lotação também é apontada como o combustível para quase uma ocorrência por dia de agressão entre usuários. De janeiro a maio deste ano, foram 118 casos.
"Todo dia tem um, dois [casos]. Quase sempre é desentendimento na hora de embarcar e desembarcar. O pessoal chega à porta, para, outro quer entrar, não consegue. Um passa na força, outro, xinga. Há discussão, sai um empurrão, um soco", explica o delegado Valdir Rosa, responsável pelo distrito exclusivo do sistema, o Metropolitano.
No ano foram registrados 1.395 furtos nas estações. Janeiro, por ser mês de férias e ficar com os vagões mais livres, registrou o menor número de casos: 167.
O Metrô defende a segurança. "Nosso indicador é calculado por milhão de passageiros transportados. Estamos com uma ocorrência a cada milhão. Em outros metrôs do mundo, a referência é de 1,5 por milhão", disse Rubens Menezes, chefe do Departamento de Segurança.

Josmar JozinoLéo Arcoverde e Jorge Soufen Junior
do Agora
Os furtos cresceram 13,15% no litoral paulista nos cinco primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2010. Houve aumento nesse tipo de crime em 12 dos 16 municípios, segundo as estatísticas criminais divulgadas na última segunda-feira pela SSP (Secretaria de Estado da Segurança Pública).
Nas 16 cidades foram registrados 16.454 furtos de janeiro a maio deste ano, contra 14.542 no mesmo período do ano passado --foram 1.912 crimes a mais. Os dados não incluem furtos de veículos.
Em Praia Grande (71 km de SP), município monitorado por pelo menos 1.530 câmeras de vigilância, ocorreram 2.645 furtos. Em comparação com o ano passado, quando foram computados 2.270 casos, houve elevação de 16,5% nessa modalidade de crime.

Um em cada três motoqueiros feridos tem sequela


Léo Arcoverde
do Agora


Acidentes de trânsito deixam sequelas permanentes em um terço (32,3%) dos condutores e garupas de motocicletas, aponta levantamento do IOT (Instituto de Ortopedia e Traumatologia) do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).
A pesquisa, elaborada após seis meses de consulta a 84 pacientes internados no hospital após acidentes, mostra, ainda, que 54% das vítimas tiveram fratura exposta, 14,7% ficaram paraplégicos e outros 82,4% passaram mais de seis meses afastados do trabalho devido a tratamento.
Os números, divulgados parcialmente ontem, serão apresentados amanhã em um fórum de segurança e saúde.