domingo, 31 de julho de 2016

Frente Popular de São Roque lança campanha cidadania para valer contra compra de votos.




O Movimento Nacional de Combate a Corrupção Eleitoral, que tem apoio da CNBB e do Ministério Público há muito faz campanhas denunciando a compra de voto.
Em nossa cidade, ouve-se muitos boatos de  candidatos que compram votos , e fazem cervejada, churrascada e outros coisas assim para conseguir se eleger.
No momento que mais se fala em ética e na necessidade de uma profunda reforma política, a Frente Popular de São Roque resolveu lançar uma campanha para termos eleições limpas, que focará em três pontos:
1-) Contra a compra de votos
2-) Cobrar dos candidatos programas por escrito e  divulgados publicamente, além de apoiar os fóruns da cidade que exigem estes compromissos, por exemplo, 1% para a cultura ou a implantação da Lei do Piso para os professores.
3-)Fiscalizar a aplicação do Teto de gastos e denunciar campanhas caras que passem o teto definido pelo Superior Tribunal Federal e o caixa 2  .Em nossa cidade o vereador poderá gastar R4 35,4 mil  e o candidato a prefeito R$ 274 mil, (http://searadionaotoca.blogspot.com.br/2016/07/tse-divulga-os-limites-de-gastos-das.html)
Ter campanhas mais baratas e que não sejam financiadas por empresas pode ajudar a diminuir a corrupção e termos uma gestão mais livres de compromissos de campanhas e com isto menos sujeita a pressões espúrias nas licitações.
A OAB do Rio de Janeiro acaba de lançar uma campanha  contra a compra de votos e  o caixa 2 (http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-07/cidadaos-poderao-denunciar-caixa-2-e-compra-de-votos-em-aplicativo-da-oab)  A campanha mais barata pode facilitar que pessoas mais preparadas e com melhores intenções possam nos governar.Reproduzimos abaixo como denunciar:

Todo cidadão ou cidadã que souber da ocorrência de atos de compra de votos ou de desvios administrativos com fins eleitorais pode informar o fato imediatamente ao Ministério Público Eleitoral. Os representantes dessa instituição nos Municípios são os Promotores Eleitorais. O Ministério Público é um dos que tem autorização legal para solicitar à Justiça Eleitoral a punição a candidatos que cometam corrupção eleitoral. Como não possui vinculação a qualquer partido político, o Ministério Público é o grande parceiro da sociedade no combate à corrupção eleitoral.
Mas a apresentação da denúncia de compra de voto não é feita com exclusividade ao promotor eleitoral. Pode também ser encaminhada à polícia e até mesmo ao Juiz Eleitoral, que neste caso encaminha a denúncia para o destino mais adequado (polícia ou promotoria eleitoral, ou ambos).
O ideal é que a informação seja transmitida às autoridades por escrito, desde que isso seja possível ou não implique em ameaça ao informante. O melhor seria que em cada município houvesse pelo menos um COMITÊ 9840 e que esse comitê levasse ao promotor eleitoral os casos de corrupção nas eleições. Assim a denúncia é apresentada com o respaldo de toda a comunidade, não apenas de um ou alguns indivíduos.
Lembre-se: o promotor eleitoral é obrigado a agir diante da ocorrência da corrupção eleitoral. Embora não se espera que isso ocorra, pode haver alguma omissão por parte da promotoria. Neste caso, comunique o fato à Procuradoria Regional Eleitoral do seu Estado.
Para reflexão:
Você já participou de alguma reunião em que um candidato tenha oferecido ou prometido vantagens particulares aos eleitores em troca dos seus votos?
Você já assistiu a cenas de distribuição de cestas básicas, materiais de construção ou outros bens por candidatos?
MODELO DE DENÚNCIA
SITES ÚTEIS
ÁUDIO DE APRESENTAÇÃO DO MCCE – DENÚNCIAS
DENUNCIE O “CAIXA 2” PELA INTERNET OU PELO CELULAR 
Aplicativo para smartphones (Baixe aqui para Android ou iOS)




Fora Temer no jogo do galo

jornalistas livres
ISSO É QUE É TORCIDA ORGANIZADA! Aconteceu na noite de sábado, durante o jogo do Atlético Mineiro contra o Santa Cruz, no Estádio Independência, em Belo Horizonte.

Temer ‘ruidosamente vaiado’ no ensaio da abertura da Olimpíada

Postado em 31 de julho de 2016 às 9:34in


Do Globo via DCM:
Num dos ensaios da semana passada para o espetáculo de abertura da Olimpíada, no Maracanã, Michel Temer foi ruidosamente vaiado por vários grupos de participantes.
Os apupos aconteceram justamente na hora que o locutor informa ao público a presença de Temer no estádio.
(…)

O dia em que Villa foi herói de meia dúzia de coxas na Paulista. Por José Cássio



Postado em 31 Jul 2016
por : 



Na falta de lideranças de maior expressão, o comentarista da rádio Jovem Pan, Marco Antônio Villa, foi a grande estrela do ato em favor do impeachment na avenida Paulista.
Aclamado pelo público, Villa repetiu no caminhão de som do VemPraRua o mantra que fez levantar o Ibope e tirar a Pan do ostraciscmo.
PUBLICIDADE
“Um ano atrás ninguém acreditava quando a gente dizia que a presidente Dilma ia ser afastada. Conseguimos. Mas isso não basta. Após o afastamento, Dilma tem de ir para a cadeia. Lula e Dilma na cadeia”, discursou, levando o público ao delírio.
Villa disse que o país não é um estado democrático de direito, e que vai continuar denunciando até o dia em que ver Dilma e Lula atrás das grades. O comentarista enalteceu o papel das mobulizações, alegando que, sem o povo na rua, o “projeto criminoso de poder do PT” ia se perpetuar pelo menos até 2030.
O pulo do gato aconteceu quando a sociedade pressionou para que Lula fosse impedido de assumir a Casa Civil.
“Estava tudo tramado”, disse o comentarista da Jovem Pan. “Lula na Casa Civil iria garantir a sua eleição em 2018, depois a reeleição em 2022; então, como fez com a Dilma, iria eleger um poste em 2026, mantendo o país na mão dos criminosos pelo menos até 2030”.
Antes de Marco Antônio Villa falou a atriz Regina Duarte.
“Eu vim de graça, por amor ao povo”, disse ela. “Esse povo querido, que não tem voz, que não tem educação e que acreditou na mentira e na falsa esperança”.
A Beatriz Kicis, do grupo Revoltados On Line, coube defender o projeto “Escola Sem Partido”, cujo objetivo é salvar os estudantes da instrumentalização do ensino para fins políticos, ideológicos e partidários.
“O nosso projeto é um tiro no coração dos comunistas”, disse ela, que convocou o público para entoar dois jargões: “A nossa bandeira jamais será vermelha”; e “Pé na bunda dela, porque o Brasil não é a Venezuela”.
Sérgio Moro, que faz aniversário nesta segunda, 1° de agosto, mesmo longe foi homenageado: o público cantou “parabéns a você” ao juiz da Lava Jato.
Na avenida, o público saudava o ato crente de que o país está no caminho certo ao se mobilizar pela saída de Dilma e contra a corrupção.
O metalúrgico Cláudio Imperador, 47 anos, oito deles trabalhando na Wolks, era um deles.
Cláudio Imperador
Cláudio Imperador
Sobre Michel Temer, o metalúrgico diz que aparentemente ele está tentando por a casa em ordem e que é preciso dar mais tempo ao interino.
Disse, no entanto, que não tem informações precisas sobre os projetos que estão sendo implementados, tampouco sobre o que está sendo proposto na reforma da Previdência.
“O que eu sei é que o meu sindicato é uma merda”, disse. “Pode escrever aí: o meu sindicato é uma merda”.
Rogério Nomura, advogado, foi à Paulista com a esposa, o filho pequeno e a mãe. Disse que acredita estar fazendo a sua parte e, principalmente, quer dar um exemplo para o filho.
Também informou que não está acompanhando os primeiros passos do interino, mas que isso não importa muito, mesmícima opinião do dentista Udo Nopper, que saiu de Guarulhos, com a mãe, Ingrid Nopper, para acompanhar os protestos.
“O que eu percebo é que as primeiras atitudes do presidente Michel Temer já foram suficientes para melhorar a economia”, afirmou o dentista.
“Que medidas são essas?”, eu perguntei.
“Não lembro exatamente”, ele respondeu. “Mas um primeiro passo é essa iniciativa de substituir, nos cargos de governo, o pessoal político por técnicos especializados, gente com capacidade reconhecida”.
Perto dali, envolta num mar de fãs, Joice Hasselmann se esforçava para tirar selfies com quem se aproximasse. Mirei meu celular nela e gritei.
– Joice, aqui!
Ela olhou e abriu o sorriso. Para mim também bastava. Missão cumprida.

Rachel Sheherazade
Rachel Sheherazade

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).
Jose Cassio
Sobre o Autor
JC é jornalista com formação política pela Escola de Governo de São Paulo

PMDB desiste de lançar líder do MBL a prefeito no interior de SP por “impopularidade”

Postado em 30 de julho de 2016 às 5:44 pm

Do repórter Pedro Zambarda DCM:
O DCM antecipou em maio (http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-fim-da-farsa-lider-do-mbl-e-candidato-a-prefeito-pelo-pmdb-por-pedro-zambarda/) que Rubinho Nunes seria candidato a prefeitura de Vinhedo pelo PMDB. A chapa foi oficializada naqueles dias em convenção do partido e Rubens recebeu cartas de apoio vindas de Brasília assinadas pelo ex-ministro Moreira Franco e pelo presidente interino Michel Temer.
A candidatura Rubinho, no entanto, não decolou. O jornal Tribuna de Vinhedo lançou uma nota no dia 29 de julho afirmando que o PMDB recuou.
O que o jornal não diz é que o motivo é a grande impopularidade de Rubinho Nunes entre o eleitorado. Inseguros de lançar o nome do antipetista, ele será vice de uma chapa com o vereador Dario Pacheco do PTB para prefeito, um político com mais história da cidade.
A decisão será oficializada em outra convenção marcada para o domingo, 31.
Nem com a bênção de Temer e de Moreira Franco o amigo de Kim Kataguiri conseguiu emplacar. A política dos jovens que deram o golpe não sai do chão.

Veja o tamanho da manifestação do Fora Temer no largo da Batata

Manifestantes contra o deixam o Largo da Batata (SP), para caminhar em prosteto gritando

POVO VAI ÀS RUAS POR ‘FORA, TEMER’ E NOVAS ELEIÇÕES