sábado, 30 de dezembro de 2017

Retrospectiva do LeVante POpular da Juventude sobre 2017

Compas, segue o video de retrospectiva do Levante Popular da Juventude em 2017. Aproveitamos pra agradecer a todos e todas que nos ajudaram nessa caminhada.

Em 2018 muitas lutas nos esperam. Contamos com vocês ✊🏽

A nossa rebeldia é o Povo no Poder 🏴🇧🇷

Hospital universitário da USP: funcionários conseguem 48 milhões no orçamento 2018


sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

João Pedro Stedile: 10 piores acontecimentos de 2017

 *Os dez piores acontecimentos de 2017 que afetaram a vida do povo brasileiro*

João Pedro Stedile


A cada final de ano sempre se costuma fazer o balanço de avanços e atrasos na vida do povo. Mas neste 2017, cheio de acontecimentos memoráveis, está muito difícil selecionar. 

Sendo assim, sugiro que você também faça sua lista! Veja a minha, a ordem não importa muito…

10 - Paralisação da reforma agrária e das políticas públicas para a agricultura familiar e camponesa, com fechamento do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), sucateamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), a liberação de mais sementes transgênicas e mais agrotóxicos para envenenar nossos alimentos. Soma-se a isso, o projeto de vender nossas terras ao capital estrangeiro.

9 - A não penalização das empresas Vale S.A. e BHP Billiton, pelos crimes de Mariana (MG). Vale a lembrança de que tais empresas mataram 21 pessoas, devastaram um rio de 700 quilômetros, o Rio Doce, e atingiram a vida de milhares de pessoas entre os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Até hoje as mesmas não indenizaram, nem repararam os prejuízos para o povo, e ainda querem ampliar a mineração na região.

8 - As manipulações e prepotências da dupla Dallagnol e Sérgio Moro, que ferem a Constituição e insistem em querer inviabilizar a candidatura de Lula, sem ter provas. Por outro lado, a manutenção da liberdade dos senhores Aécio Neves, senador Zeze Perella, José Serra, Ricardo Teixeira, Eike Batista, o banqueiro Daniel Dantas; apesar das evidentes provas de corrupção.

7 - A entrega para o grande capital privado e estrangeiro de nossas riquezas naturais, como o pre-sal, a mineração, a água; que deveriam ser utilizadas em prol do bem comum do povo brasileiro.

6 - A aprovação pelo Congresso do limite de investimentos sociais em Educação e Saúde. Mas, ao mesmo tempo, ampliação de gastos com juros de mais de 400 bilhões de reais do orçamento nacional para os banqueiros.

5- As práticas manipuladoras da Globo sempre enganando e mentindo para o povo. Ainda que agora tenha caído sua máscara ao ficar evidente o acordo de apoio ao governo golpista de Michel Temer em troca de polpudos recursos de publicidade.

4 - A chamada "reforma trabalhista", que retirou direitos históricos de cerca de 140 milhões de trabalhadores brasileiros, mantendo 20 milhões no desemprego e 22 milhões no trabalho precarizado, eu sem nenhum direito previdenciário.

3 - O comportamento parcial e partidarizado dos membros do Supremo Tribunal Federal (STF), em especial o Sr. Gilmar Mendes, sempre atuando em favor dos interesses da grande burguesia.

2 - A foto maior da desigualdade social que apareceu na revelação de que apenas seis capitalistas ganham mais do que 102 milhões de brasileiros. E, entre eles, 25% dos domicílios não possuem nenhuma renda mensal.

1 - A continuidade do governo golpista de Michel Temer e seus parlamentares no Congresso.

Com tudo isso, a pergunta que persiste é: o que esperar de 2018?

Que o povo se mobilize, lute, se levante na defesa de seus direitos e dos interesses de toda nação. Que tenhamos eleições livres, democráticas e com a participação de Luiz Inácio Lula da Silva.

Abraços, nos veremos por aí, "nas ruas, campos e construções", como mandava o Geraldo Vandré!!!

Programação do espaço equilíbrio para janeiro

Agenda de eventos para Janeiro 2018
💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦💦
Oficina de Filtro dos Sonhos no dia 09/01 com Raissa Biancofioni Afonso

Roda de conversa sobre Nutrição Consciente com a Nutricionista Bianca Sandra Moço Gallo

Literacriando - Oficina de Criação Literária dias 11, 16,18 e 25/01 com Silvia
Mello

Culinária com a Raissa Biancofioni Afonso no dia 19/01

Roda de conversa sobre Menopausa com Elaine Trindade Pedrero, Tereza Galindo e Carla Regina Salvetti no dia 20/01

Palestra sobre o Querer e o Conseguir no dia 26/01 com Fábio Fernandes

Curso de Pompoarismo com Carla Regina Salvetti no dia 27/01

Luiz Henrique Dias:novo aumento de gasolina e diesel...


quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Médicos ironizam musica de final de ano da Globo


Bordadeiras mineiras fazem homenagem a Chico Buarque


PLININHO FALA DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA


Alckmin e Doria aumentam tarifa de ônibus pra 4 reais


Concurso Prefeitura de Cotia-SP: edital tem 136 vagas de até R$ 4 mil



Atualizado: 19/12/2017 às 16:54 Publicado: 15/12/2017 às 16:10

Município de Cotia-SP abre concurso que prevê preencher 136 vagas em cargos de Professor, Supervisor de Ensino, Diretor de Escola e Nutricionista. Os salários são de até R$ 4.304,00.



As inscrições serão realizadas via internet, no endereço eletrônico www.rboconcursos.com.br, entre os dias 15 de dezembro de 2017 e 15h do dia 15 de janeiro de 2018. A taxa de inscrição está fixada em R$ 55,00.

O concurso compreenderá prova objetiva, prova dissertativa e avaliação de títulos para seleção dos candidatos. As provas escritas serão realizadas na cidade de Cotia/SP na data prevista de 28 de janeiro, nos locais divulgados nos endereços eletrônicos www.rboconcursos.com.br e www.cotia.sp.gov.br a partir do dia 20 de janeiro.

A prova terá 40 questões de Língua Portuguesa, conhecimentos em Informática e Conhecimentos Específicos, conforme o cargo. Os gabaritos da prova serão divulgados nos endereços eletrônicos acima citados em data a ser comunicada no dia da realização da etapa.

A validade do concurso é de dois anos, podendo ser prorrogado por mais dois anos, a contar da data da homologação do certame, a critério da Prefeitura de Cotia. Todas as convocações, avisos, resultados e outras informações da seleção sairão na Imprensa Oficial do Município e nos endereços eletrônicos www.rboconcursos.com.br e www.cotia.sp.gov.br. É de responsabilidade do candidato acompanhar todas as publicações referentes ao concurso.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

ESCRAVIDÃO NÃO GERA PROGRESSO, LEMBRA FERNANDO BRITO

TEREZA CRUVINEL: Bajulando donos da mídia, Alckmin fala de novo em acabar com a EBC



WBigo (SECOM/ Gov.de SP)
O irresistível desejo de agradar os donos de rádios e televisões privadas, que nunca assimilaram a criação de uma TV Pública no Brasil, devem explicar  a insistência do pré-candidato e presidente do PSDB Geraldo Alckmin em pregar o fechamento da Empresa Brasil de Comunicação, a EBC. Ele repetiu hoje, em entrevista ao Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan, a ameaça que já havia feito dias atrás. Falar do que não está em pauta é também uma fuga do assunto que mais o incomoda neste momento, as revelações do Cade sobre o cartel de empreiteiras que atuou em seu governo e nas demais administrações tucanas em São Paulo nos últimos dez anos.
- Hoje está nos jornais sobre a EBC (sic). Eu, se for presidente, vou fechar, vou acabar com isso.  É a TV do Lula. Gasta um dinheirão e não dá audiência. Temos que modernizar. A população entende. Governo tem papel regulador e fiscalizador. O que não pode é agências serem partidarizadas,  ficarem a serviço de políticos ou de partidos. Brasil tem tudo para passar por processo de modernização”
Sobram asneiras e falta coerência ao que Alckmin disse, sem sequer ser provocado sobre o tema.  Falar em “TV do Lula”  nesta altura é  de uma sandice completa. Este foi o bordão com que durante os primeiros quatros da existência da EBC, sob a minha presidência, a mídia privada fustigou o projeto, tentando evitar que ele se consolidasse. Mas ele vingou, e por isso mesmo foi um dos primeiros alvos da sanha revanchista de Temer, que cinco dias depois de sua posse, ainda como interino,  fez uma violenta intervenção na empresa, destituindo ilegalmente o então presidente Ricardo Melo, que tinha mandato a cumprir. Uma liminar do ministro Dias Toffoli, do STF, garantiu sua permanência mas Temer driblou o Supremo alterando por MP a lei de criação da EBC, acabando com o mandato do diretor-presidente, que existia para garantir sua independência, e com o Conselho Curador, organismo de participação e controle da sociedade sobre a programação dos canais públicos. E assim, Temer finalmente emplacou no cargo seu interventor, Laerte Rimoli, que vem desmontando a empresa e minando sua natureza pública. A EBC hoje é uma agência a serviço de Temer e de seu governo, agora sim, é chapa-branca e governista mas, quando o retrocesso for barrado, sua vocação e destino serão restaurados. Então, falar em TV do Lula nesta altura é um despautério.
Mas, para um candidato que chapinha nas pesquisas, e agora é desafiado até dentro de seu partido, como o foi pelo prefeito de Manaus, Arthur Virgílio,  a explicar o cartel de empreiteiras que atuou nos governos tucanos de São Paulo,  falar do que não está em pauta é boa fuga. Na entrevista, Alckmin escapou da pergunta sobre o cartel dizendo que esta prática acontece “fora do governo”, que nada vê, nada sabe, nada facilita.  Os tucanos sabem que o assunto podem complicar mais a candidatura dele e suspeitam fortemente que foi vingança de Temer. Alckmin fez corpo mole e metade dos deputados do PSDB votou a favor das denúncias de Rodrigo Janot.
Tergiversando, Alckmin perde também a razão para falar em fechar a EBC porque, tendo governado São Paulo por tantos anos, nunca falou em fechar a TV Cultura, que tem a mesma natureza da EBC. É uma emissora importante do campo público mas, se a questão for de audiência, seus índices não são tão superiores aos da TV Brasil/EBC. O PDSB sempre indicou os dirigentes da Fundação Padre Anchieta, gestora do sistema Cultura, mas isso ele nunca achou que era um problema.
“Temos que modernizar. A população entende”, disse Alckmin. Modernizar é privar a população, que a mídia privada e dita grande manipula, de canais alternativos de informação e conteúdo? É descumprir o preceito constitucional inscrito no artigo 223, de que a radiodifusão deve ter canais públicos, privados e estatais?  Mas seus controladores, que são poucos e têm um poder político e econômico avassalador, não querem qualquer tipo de competição, embora os canais públicos sejam  corretamente impedidos de captar publicidade comercial.  Querem o poder de falar sozinhos, de impor o pensamento único, o poder de dirigir a opinião pública, afetando perigosamente a democracia, como já aconteceu tantas vezes, inclusive na indução das manifestações de 2013 e nas que precederam o golpe do impeachment.
O que “está nos jornais” sobre a EBC, como diz Alckmin, é uma matéria da Folha de S. Paulo sobre o garroteamento financeiro da empresa pelo governo Temer: os recursos para investimentos são irrisórios, está em marcha um PDV e programas importantes já foram descontinuados. Mas mesmo Rimoli, o desconstrutor da EBC, em entrevista que compõe a matéria,  defende a importância e a permanência da empresa, embora revelando sua mais completa ignorância sobre a missão da comunicação pública. Disse ele: “A EBC é a empresa de comunicação da oitava economia do mundo. Ela não é um rebotalho. Os que querem diminuí-la e querem o fim da TV Brasil esquecem que qualquer país gasta dinheiro com divulgação de suas iniciativas. Se acabar com a EBC, terá de se contratar e gastar com uma empresa privada e terceirizada”.
Errado. A EBC não foi criada para divulgar iniciativas do governo. A comunicação pública existe, nas melhores democracias do mundo, para garantir ao cidadão uma oferta diversificada de conteúdos, para não subordiná-lo unicamente ao discurso das emissoras comerciais, que têm interesses comerciais e ideológicos. A TV pública, as rádios públicas, embora concedidas e financiadas (total ou parcialmente) pelo Estado, pertencem à sociedade e por ela devem ser controladas. Em nome da diversidade, da pluralidade,  que hoje os cidadãos brasileiros só encontram nos veículos alternativos, na mídia independente que floresce na Internet.
E para encerrar, muito interessante o tom respeitoso com que agora a Folha de S. Paulo trata a EBC. No meu tempo, a Folha (e os demais jornais) faziam uma cobertura obsessiva da EBC, sempre negativas e desqualificadoras,  sempre apostando no naufrágio do projeto. Alckmin tenta ressuscitar a demonização da EBC,  no afã de ganhar o apoio dos donos da mídia para sua candidatura claudicante nas pesquisas eleitorais.

FERRAZ CONFESSA QUE PEGOU MALAS DE DINHEIRO PARA GEDDEL EM SP

MIRIAM LEITÃO CONDENA AS CHANTAGENS DE MARUN

CORRUPÇÃO DE MARUN, POR UMA "BOA CAUSA", É TOLERADA PELOS MORALISTAS