quinta-feira, 31 de agosto de 2017

PF AVISA QUE PARTIRÁ PARA O CONFRONTO COM OUTRAS FORÇAS POLICIAIS NAS RUAS

JANOT PEDE INVESTIGAÇÃO CONTRA TEMER E HOMEM DA MALA POR ROUBO EM SANTOS

JUIZ DETONA FILME DA LAVA JATO: ‘SE FOSSE PROCESSO MEU, NINGUÉM SORRIA’

PGR REENVIA AO STF DELAÇÃO DE FUNARO PARA HOMOLOGAÇÃO

Cozinhando Funaro, Janot ou Temer?

pombos
O  Painel da Folha noticia que o ministro Luiz Edson Fachin devolveu ao  procurador geral Rodrigo Janot, para “emendas”, a delação de Lúcio Funaro, o operador de propinas do PMDB, que servirá de base à segunda denúncia contra Michel Temer.
Lauro Jardim, em O Globo, informa que as “emendas” foram feitas e a homologação da delação  “está prevista” para segunda-feira.
Homologada, mas mantida em sigilo, ao contrário de outras tantas que vazaram como encanamento velho, mal foram feitas. Só o que se soube, hoje, é que Joesley Batista teria pago a Funaro para permanecer em silêncio, mas não há informação sobre a partir de quem e como se fez o pedido de “cala-boca” monetário.
De todos os lados, o que se vê é uma manipulação odiosa do princípio da igualdade de tratamento do Judiciário e seus satélites, MP e Polícia Federal.
Odiosa, inútil e perniciosa.
Embora não haja qualquer razão para crer que, como aconteceu da primeira vez, o resultado jurídico da denúncia vá ser diferente de zero, o político não é.
Os sinais de que a paralisia do parlamento, enfufucado apesar do presidente interino da Câmara marcar três sessões para a próxima semana, a do feriado da Independência para tentar aprovar a reforma política, começaram a ficar evidentes ontem.
Mesmo com o estilo trator adotado pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira, nem mesmo a mudança na meta fiscal obteve o quorum necessário para ser votada a tempo, e não se diga que foi o horário. O Congresso brasileiro têm um longo e triste histórico de votações na madrugada que faça esta explicação bastar.
Ao que parece, foram-se o “dream team” da economia e a maioria parlamentar avassaladora, os dois grandes trunfos de Michel Temer.
A colheita maldita, um ano depois de consumado o golpe presidencial, não consegue produzir nem os frutos que o mercado esperava dela.
Sobraram as miragens de uma reforma previdenciária e privatizações a rodo que têm poucas chances de ocorrer até 2018 e a terra arrasada do país.
O projeto político das elites e do capital, hoje, é um só: impedir Lula de concorrer em 2018.
Porque impedi-lo de concorrer é a única forma de impedir que ele vença.

Ainda há dignidade entre os juízes no Brasil.

quantoriso
Do juiz  Luís Carlos Valois, da Vara de Execuções Penais do Amazonas, no Facebook.
Se o filme fosse sobre algum processo que eu já tive em minhas mãos, ninguém iria sorrir, nem eu, nem ninguém.
Talvez fosse um filme de drama, talvez um de suspense, podia até ser um de terror, mas nenhum com a capacidade de se fazer sorrir comendo pipoca.
Poderia fazer chorar, fazer virar a cara, dar nojo e até dar vontade de sair do cinema, mas nunca fazer sorrir.
A justiça penal verdadeira não devia ser local, motivo, de alegria, mas de tristeza sempre, porque, quando age, age demonstrando o quanto falhamos como sociedade.
Não importa se a atuação da justiça penal pode ser transformada em algo plasticamente belo, o que já é uma deturpação da verdade, a justiça penal é triste, deve ser triste, para o bem da sociedade e da possibilidade de se manter são.
Eu não vi esse filme, mas se ele é sobre justiça penal, polícia e prisão, e causa essa alegria toda, eu não vou ver…
  •  
  •