quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Justiça mandar suspender propaganda sobre reforma da Previdência

DESINFORMAÇÃO


Para juíza federal, discurso do governo "influenciará indevidamente na formação da opinião pública sobre tão relevante tema que, por sua gravidade, não deveria ser assim manipulado"
por Redação RBA publicado 30/11/2017 20h13, última modificação 30/11/2017 20h19
REPRODUÇÃO
propaganda
Governo gastou R$ 100 milhões no 1º semestre. E intensificou campanha para tentar reduzir resistência da base
São Paulo – Por ver "desinformação" e "desqualificação" de uma parte da sociedade, a juíza substituta Rosimayre Gonçalves de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, determinou a suspensão da propaganda do governo sobre a reforma da Previdência, que apresenta uma medida como importante para combate de supostos privilégios. A decisão é liminar (provisória). A Advocacia-Geral da União já adiantou que vai recorrer.
Para a juíza, a propaganda oficial é "ofensiva e desrespeitosa a grande número de cidadãos dedicados ao serviço público". Ela também vê desinformação no anúncio do governo de que, com a efetivação da reforma, haverá mais recursos para investimentos em outras áreas. E lembrou que o Executivo não informa que o regime dos servidores é diferente da iniciativa privada. Fixando multa diária de R$ 50 mil em caso de descumprimento, a juíza disse que a propaganda "influenciará indevidamente na formação da opinião pública sobre tão relevante tema que, por sua gravidade, não deveria ser assim manipulado".
Trata-se de ação ajuizada pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) e outras entidades. "Começa a ser feita justiça", disse o presidente da Anfip, Floriano Sá Neto. Os servidores afirmam que a propaganda não tem cunho educativo e faz "propagação inverídica" sobre o tema.
O governo tem dificuldades para conseguir maioria suficiente à aprovação da proposta. Nesta semana, representantes das centrais sindicais foram pedir ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que deixe a votação para o ano que vem. As centrais marcaram greve nacional para a próxima terça-feira (5), contra a reforma previdenciária.
O governo destinou R$ 170 milhões milhões para despesas com comunicação no Orçamento deste ano. Somente de janeiro a junho já havia executado R$ 100 milhões para a reforma da Previdência. Segundo notícias divulgadas hoje, a equipe de comunicação do Planalto planejou outros R$ 72 milhões nos últimos dias para diminuir a "resistência" da opinião pública e reduzir o temor de sua base de enfrentar as urnas no ano que vem.

STF MANTÉM VALIDADE DO MAIS MÉDICOS

GOVERNO JÁ PENSA EM DEIXAR VOTAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA PARA 2018

PARA DIEESE, NOVA LEI TRABALHISTA 'ABRIU AS PORTAS DO INFERNO'

QUASE 100% DOS EMPREGOS PRIVADOS CRIADOS EM 2017 FORAM INFORMAIS


LULA: ELEITO EM 2018 QUE NÃO FIZER REFERENDO NÃO CONSEGUIRÁ GOVERNAR

JUSTIÇA SUSPENDE PROPAGANDA 'OFENSIVA' DO GOVERNO SOBRE PREVIDÊNCIA