quinta-feira, 19 de abril de 2018

Uma homenagem a resistência de Leonardo Boff em Curitiba



O que falar de uma "justiça" que "dá as costas" a um Nobel da Paz?
O que dizer de uma "justiça" que não deixa um religioso atender um ser humano?
O que dizer da insensibilidade de uma "justiça" que se nega a seguir a Constituição?
Descobrimos que a convenção de Mandela não vale no Brasil.
Percebemos que um homem que é ouvido pelo Papa e por todo o mundo, sequer pode entrar na sede da Polícia Federal.
Meus deus, meu deus que país é este que nega a um religioso o direito de atender um ser humano?
Leonardo Boff lutou contra o muro da injustiça e se sentou para protestar contra a ditadura que vivemos.
O seu gesto o fez seguir os passos de Gandhi e Luther King. 
O seu ato mostra com todas as letras uma enorme perseguição política a Lula
O clamor por verdadeira justiça nunca foi tão grande em nosso país, mas assistimos entristecidos a força do aparato policial esmagar a esperança do cidadão.
Mas como diz Chico Buarque, amanhã há de ser outro dia.
A resistência de São Bernardo iluminou o Brasil e o acampamento de Curitiba representa a voz do povo. Que com seu exemplo corroa lentamente a suprema injustiça que nos governa.

Marco Aurélio pauta ação do PcdoB que pode tirar Lula da cadeia


19 de abril de 2018 às 21h56
Carlos Humberto/SCO/STF
Relator inclui na pauta do STF ação do PCdoB sobre segunda instância
A ação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) contra a prisão em segunda instância foi incluída na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido do ministro Marco Aurélio Mello, nesta quinta-feira (19).
A definição de uma data cabe à presidenta da corte, ministra Cármen Lúcia.
Se a ação for aceita, pode resultar na liberdade do ex-presidente Lula.
A ação, assinada pelos advogados Celso Antonio Bandeira de Mello, Weida Zancaner e Geraldo Prado, pede que seja concedida medida cautelar a fim de impedir e tornar sem efeito qualquer decisão que resulte em execução provisória de pena privativa de liberdade antes da existência de decisão condenatória transitada em julgado.
O PCdoB entrou com a ação no Supremo na última quarta-feira (18).
A presidenta da legenda, Luciana Santos, disse que espera, com a ação, que o STF garanta e respeite à Carta Magna. “Esperamos garantir a defesa da Constituição brasileira e que se respeite o devido processo legal e o Estado Democrático de Direito. Nós estamos vivendo uma anomalia”, justificou.
Leia também:

No tribunal do placar “fixo” de 6 a 5 não adianta argumentar

6a5
A situação que se se criou no que sobra da Justiça brasileira é a crônica de resultados anunciados.
Os placares das votações no Supremo Tribunal Federal, em qualquer matéria que envolva dos direitos e garantias individuais, são um monótono e indefectível  “6 a 5”.
O topete oco de Luís Fux, par constante da luzidia calva, “SS fashion”, de Alexandre de Moraes, a conversão à maldade da dupla Fuinha & Pavão que a prudência manda omitir os nomes e a mesquinhez que escorre das feições de D. Cármen Lúcia,  formam cinco votos;
O sexto voto é de Rosa Weber, ex-ministra auxiliar de Sérgio Moro no Supremo Tribunal Federal, que diz que não encontra razões de consciência para votar contra a  Constituição, mas  que “a colegialidade ” permite que vote contra ela.
Pronto, está formada a maioria.
Ontem, assisti pessoalmente a “hermenêutica da regra de três”, uma nova corrente teórica do Direito enunciada por Luís Roberto Barroso. O douto saiu-se com a seguinte tese: se, para serem aceitos embargos infringentes de sentença condenatória não-unânime do plenário quando há quatro votos divergentes, então, na Turma, onde há cinco juízes, só se os admite se houver dois votos assim.
A tese jurídica de Barroso, para a apreciação dos estudiosos: se quatro votos estão para dez (o total do plenário, pois o regimento é do tempo em que o presidente não votava), então, na turma, têm de ser dois dotos, para ser mantida a proporção.
Espetacular!
O Supremo Tribunal Federal tornou-se o valhacouto de imbecis, não é possível pensar de outra maneira, tamanha a regularidade com que tantos votos se repetem .
Do outro lado, nada que se possa dizer que é um alinhamento ideológico. Celso de Mello entrou no Supremo com Sarney, Marco Aurélio Mello com Collor, Gilmar Mendes com FHC e apenas Ricardo Lewandowski e Dias Tóffoli com Lula.
Não há brilho em nenhum dos dois lados.
Não se ouve um grito pungente pela legalidade.
Mas de um dos lados há treva.
O do seis.

CENTRAL DE CARTAS LULA LIVRE em São Paulo

Jornalistas Livres compartilhou um evento.
Publicado por Joana Brasileiro3 h
O Comitê do Teatro e Ativistas pela Democracia e Lula nas Eleições e Adriano Diogo, farão a Ação CENTRAL DE CARTAS LULA LIVRE nesta SEXTA, dia 20/04 ouvindo IVAN SEIXAS no Teatro Studio Heleny Guariba, Praça Roosevelt, 184, das 13;30h às 17h.
Ivan foi preso pela pela repressão da ditadura em 1971 com seu pai Joaquim, sua mãe e suas irmãs. A família escutou os tiros da execução de seu Pai.
Ivan era um menino de 16 anos, menor de idade e foi adotado pela ANISTIA INTERNACIONAL. Através desta entidade recebeu cartas do mundo todo.
Ele estará no teatro com duas malas cheias dessas cartas.

A solidariedade de Leonardo Boff a Lula

Papai Noel visita Lula na PF de Curitiba... Não, é o grande escritor e teólogo Leonardo Boff, aos 79 anos, em homenagem militante aos direitos humanos! Ele vai ficar na porta até ver o amigo preso político! Solidariedade é algo lindo de se ver. #EusouLula #LulaInocente
Foto Eduardo Matysiak

NA ALDEIA E NA CIDADE, SOMOS INDÍGENAS NA UNIVERSIDADE


A UNE Volante chegou em Belém, na Universidade Federal do Pará no dia 19 de Abril, que está no calendário oficial do Brasil como o dia do Índio.
A primeira edição da UNE Volante aconteceu em 1960, onde a pauta reivindicatória central da UNE era a defesa da democracia e as implementação das reformas de base proposta por João Goulart. A reforma universitária, a ampliação do acesso a universidade era a bandeira central naquele momento.
Quase 60 anos depois reeditamos a UNE VOLANTE e encontramos a universidade com sua base social radicalmente transformada pela luta histórica do movimento estudantil, e pelos 13 anos de governos populares que colocou no centro da política educacional a expansão das universidades públicas, aumento do número de vagas e criação de programas de acesso, como as cotas raciais, sociais e para os povos originários e quilombolas.
Hoje a comunidade indígena da universidade se reúne para falar dos desafios e vitórias dos povos indígenas na universidade. Acabar com o preconceito, defender a universidade pública do desmonte que um governo ilegítimo quer impor, manter as portas da universidade abertas para os povos originários são as lutas centrais dos mais de 80 estudantes indígenas da UFPA.
“ A gente sofre ainda racismo, preconceito, mas fazemos valer nossa resistência, nossa história. Nossa luta conquistou o acesso da Universidade e nós vamos permanecer aqui. Somos mais de 80 indígenas na universidade e vamos ser mais. Viemos da nossa aldeia, mas ninguém deixa de ser indígena, isso está na nossa alma. E vamos voltar para nossa aldeia com o conhecimento que ajudamos a construir na universidade”. Virgínia Arapaçu,natural do Amazonas, estudantes de administração da UFPA.

O no sense da senadora Ana Amélia

A senadora Ana Amélia, aquela mesma que apoiou os ataques a caravana de Lula, voltou a tona e numa atitude marcada por má fé ou por ignorância confundiu organização jornalística internacional como a TV árabe Al Jazeera com o grupo terrorista Al Qaeda. E a rede não perdoa....

grande marcha de luta por moradia, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

MTST - Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto adicionou 5 novas fotos.
3 h
Neste momento acontece uma grande marcha de luta por moradia, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto. Os manifestantes saíram da Estação Morumbi rumo ao Palácio dos Bandeirantes.
Guerreiros e Guerreiras seguem com força e resistência na garantia do direito constitucional da moradia digna!
MTST, a luta é pra valer!
#MTST
Seja um colaborador do MTST: http://catarse.me/colabore_mtst

BOFF: SE TRATA DE UMA CONDENAÇÃO POLÍTICA, REJEITADA INTERNACIONALMENTE